Arquivo do mês: junho 2012

Reunião do Comando de Greve 27/06/2012

Informes/Avaliação da Greve:

Regiane: Faz avaliação da greve de que esta desorganizada, que a atividade no Hupes foi marcada por servidores e não por estudantes e começou com muito atraso e no calendário não informava o local exato da greve, ao perguntar o porteiro ele informou que não sabia e não havia reserva no anfiteatro do HUPES. *Sugere que tenha um responsável pelas atividades e pontualidade das atividades*

Yuri: Esteve presente na congregação da escola de teatro que tinha como pauta a greve geral e fez solicitação de que a congregação solicitasse ao consepe que se reúna para debater o calendário acadêmico *Sugere que seja feito isso em todas as congregações para que haja pressão para convocação do consepe* garantindo a reposição de aulas antes do final da greve assim como em 2004. Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

CONSUNI (20 de junho de 2012) reconhece os movimentos reivindicatórios dos três setores e garante o direito de paralisação dos estudantes.

No dia 20 de junho, quarta-feira, ocorreu na Reitoria o CONSUNI (Conselho Universitário) – órgão de deliberação máxima da UFBA, abaixo apenas de uma assembleia geral. A pauta única e extensamente debatida entre docentes,  pró-reitores, reitora, discentes e técnicos-administrativos foi a greve na UFBA. Constatou-se que a maior parte da Universidade está paralisada. Foram colocadas pautas específicas dos Institutos e pautas mais abrangentes (como o BUZUFBA, aprovado em CONSUNI no semestre passado para o começo deste ano).

Sendo assim, a Reitoria reconheceu as mobilizações dos 3 setores da UFBA que estão paralisados (servidores, professores e estudantes), escrevendo uma nota de apoio às reivindicações dos movimentos. Em relação à greve estudantil, foi escrita uma nota de apoio reconhecendo a greve e instruindo aos departamentos/institutos que nenhum aluno grevista fosse prejudicado, garantindo que terão suas aulas e atividades repostas, ao final do processo de mobilização.

Quanto ao congelamento do calendário acadêmico, a Reitoria afirmou que quem delibera sobre isso é o CONSEPE – Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Dessa forma, foi solicitada a convocação de um CONSEPE Extraordinário, para deliberar sobre o novo calendário acadêmico, ainda sem data marcada.

Seguem abaixo as duas Notas de Reconhecimento deliberadas em CONSUNI!

Image

 

Image

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Relatoria do Comando de Greve Geral – 21 de junho de 2012

1)      Informe

2)      Avaliação

3)      Calendário\ Mobilização

1) Informe:

Yasmin: No CONEG aconteceram reflexões a respeito da greve, pautando de que a forma a UNE deveria se posicionar, reforçando seu papel nesse processo. Foram tiradas pautas a partir das demandas apresentadas pelas entidades gerais que a UNE deverá defender na reunião do comando nacional e uma Marcha Nacional para o dia 27 de junho. A reunião do Comando Nacional, organização das pautas e elaboração do calendário – 3 de julho dia de mobilização em todos os estados. A partir do dia 25 de junho Wanderson, estudante de direito, será o novo coordenador geral do DCE e Yasmin será diretora de saúde.

Gabriel: Ontem, 20 de junho, rolou a assembleia de pedagogia com deflagração de greve. A comissão de mobilização virou comando de greve. Os nomes de Gabriel e Marisa foram indicados para o comando geral. Foi um espaço muito importante para a organização do curso.

Luis: Reunião de congregação em Odontologia e uma das pautas foi o CONSUNI de ontem e a diretora falou que irá emitir uma nota de reconhecimento da greve das 3 categorias e um para os estudantes de nutrição (21 de junho)

Hanna: Aula publica com Miguel no IGEO, 21 de junho, com debate sobre a greve na educação, fazendo os resgastes históricos necessários. Será as 16h.

Naiara: Apresenta que foram organizadas 4 assembleias e várias aulas publicas na faced e só nessa ultima ficou decidido que seria feita uma reunião do diretório acadêmico deflagrando estado de mobilização e não greve por não existir uma homogeneidade com os estudantes. Nomes: Naiara (DA), Clara Lima, Beatriz, Rodrigo, Rafael, Bruno.

Paula: Pedir desculpa por  ter viajado durante todos esses dias. Ontem teve uma reunião ampliada em geografia e não entraram em greve e nem em estado de mobilização. Mas foram construídos alguns GTs de debates. Um GT permanente para a greve. Atividade segunda-feira as 14h sobre o REUNI.

Ramon: Veterinária haviam decretado greve e na assembleia dessa quarta veterinária saiu da greve devido a mobilização de um comando de estudantes contra a greve.

Deivisson: Como mobilização e em parceria com o FAS aconteceu o Abraço ao HUPES e essa segunda ocorreu um debate na assembleia sobre a EBSERH com o diretor do HUPES. Nessa assembleia, foram tirados dois nomes para o comando geral – Deivisson e Mariana – para acompanhar e construir o movimento geral.

Ana Clara: A aula pública de hoje foi cancelada porque os professores tiveram choque de agenda e não podem estar hoje.

Ellen: Essa semana aconteceu uma atividade em SL, com o debate do porque a greve. Teve presença de 40 professores e foi puxada uma nova atividade na quinta-feira 9h junto com o pessoal de saúde. Terça-feira reunião do comando de Ciencias Sociais e assembleia as 10h (no dia 26 de junho).

Marina: Hoje aconteceu a marcha e foi bastante interessante. O comando dos professores sugeriu que nossa atividade conjunta fosse na quinta-feira às 9h da manhã possivelmente em arquitetura. Na última terça aconteceu uma reunião dos comandos e os servidores não foram avisados por um erro de comunicação, mas foi muito interessante. Marcou uma outra na segunda as 19h no DCE. Ficou indicado a construção de uma carta dos três setores debatendo nossas pautas conjuntas e apresentando uma opinião para a sociedade. E hoje a gente precisa tirar os eixos gerais dessa carta.

Caio: Os dois da comissão de mobilização viraram do comando, pois química deflagrou greve. Max e Fabricio e Caio como suplente.

2) Avaliação:

Aluã: Existe o comando geral de greve, o comando dos cursos e em vários momentos a gente fica tanto em reunião que falta o trabalho de base. A comissão de estrutura tem 5 membros e continuamos sem operar pois não estão sendo enviadas solicitações. É importante que para a gente se organize as pessoas informem o que será necessário. O Consuni foi muito importante, pois conseguimos o máximo que poderíamos naquele momento e conseguimos uma garantia mínima de defesa aos estudantes que estão em greve.

Yasmin: Aponta que os estudantes estão conseguindo se organizar e parar as aulas mesmo com as dificuldades, o canela está parando, ondina está parado, é nítida o esvaziamento dos campos. Temos que ter cuidado com os institutos mais distantes do circuito da mobilização, a exemplo de dança, da facom… faz-se necessário pensar de que forma vamos intervir nesses espaços. Fora os institutos que estão inseguros. Fala que é da comissão de comunicação e que estamos pecando muito na divulgação.

Ellen: esclarecimento – tem um email da comissão de comunicação:ufbaemgreve@gmail.com.

Yasmin: Aponta que o CONSUNI gerou muita responsabilização das unidades, isso pouco acontecia nas outras reuniões. Nessa reunião, estavam todas com repasses, com opiniões de fato das unidades e não só dos diretores e a responsabilização de todos, inclusive os que são contra a este processo de greve. Foi esse nosso principal passo. Precisamos divulgar o que aconteceu por lá.

Gabriel: avaliação das comissões – a gente está precisando fortalecer. A galera dos cursos entende que precisamos fortalecer o comando, falta articular as atividades, as formações. Sugere que entre mais gente na comissão de comunicação para que tenhamos uma comunicação mais capilarizada e efetiva. Precisamos fortalecer as comissões para garantir a horizontalidade do processo. A greve um dia acaba, mas a luta continua.

Jota: Começando pelo CONSUNI, o que era possível ser tirado de lá a gente conseguiu. Como pessoa de fora, aponta que devemos avaliar alguns pontos. A divulgação das atividades elencadas precisa melhorar. A divulgação só da agenda não é suficiente e está faltando um ato grande com pautas específicas. Proposta: a utilização dos 2 de julho de um ato grande da gente.

Wanderson: O CONSUNI refletiu o reconhecimento da própria greve, a exemplo da chegada de grande parte dos diretores no inicio da reunião, o que normalmente não acontece.  Foi um momento de reflexão, pois conseguimos ter uma maior noção do que significa aquele espaço, poderíamos conseguir mais coisas, mas a própria movimentação da reitoria ajudou a confundir os diretores e a própria atuação dos representantes servidores e da APUB. A gente tentou até o final o congelamento do calendário, mas conduzimos a reunião de forma a termos pelo menos uma garantia do não prejuízo aos estudantes que estão em greve.

Ana Clara: O CONSUNI foi positivo, mas ficou claro que a reitoria é bastante escorregadia. Percebeu que a greve tem folego para continuar. Sobre as pautas, os estudantes apontaram que a carta está mal escrita e que precisa ser construída a partir de eixos, de forma que fique mais claro o que queremos, o que é pauta geral e pauta especifica. Aponta a necessidade de termos as pautas especificas enviadas pelos cursos.

Jean: Na Politécnica teve um fórum bastante positivo de conscientização de docente e discente. A data da greve não é tão legal para a greve. Tem muito professor favorável a greve. Os estudantes estão refém do mercado, esse é o espirito dos estudantes da politécnica. Precisamos fazer um trabalho de base na poli, não tenha medo da poli, convocamos todos para ir lá discutir.

Yuri: Tivemos na vigília a aula sobre a EBSERH, ficamos dentro da reitoria e isso serviu de aviso para a reitoria, inclusive a própria expressão de Dora foi bastante significativa. Essa vigília garantiu um clima de mobilização para garantir a aglutinação para o CONSUNI. Estudantes chegaram em diversos horários, foi um trabalho muito bom. Sobre o CONSUNI, muitos professores que sempre atacam o movimento ficaram calados, não tiveram coragem de atacar a greve. Nós continuamos solicitando o calendário e pudemos avaliar até onde podemos ir com cada professor, foi possível fazer um mapeamento de quem a gente conta para votações sobre nossas pautas.

Esclarecimento (Jean): Qual nosso plano B em relação do próximo semestre?

Yasmin: o calendário acadêmico é passível de ser revisado, o congelamento serve para as atividades serem canceladas, o que conseguimos foi a garantia foi a revisão do calendário, para mapear todas as demandas para garantir que ninguém seja lesado. Por isso que nossa mobilização não acaba com o fim da greve.

Ramon: Como ninguém viveu greve, precisamos fazer uma autocritica. Nós (letras), aprovamos vários espaços, mas não estamos conseguindo tocar diversas atividades.  Antes eu não tinha entendido o motivo da vigília. Precisamos melhorar nossos atos, precisamos potencializar os cursos, acompanhar os cursos e suas mobilizações. Precisamos reforçar a aliança entre os três segmentos. No CONSUNI tivemos alguns pontos positivos, nós tivemos algumas articulações com alguns professores.

Fernanda: Antes da vigília tivemos o panelaço, foi a galera que deu peso para nossa entrada na reitoria. Depois que conseguimos entrar e a mídia chegou deu peso na nossa atividade. Precisamos fazer a autocritica, poucas pessoas do comando estavam presentes (isso seria o mínimo). A nossa saída da reitoria por causa do recital foi negativa e que a gente precisa investir em divulgação e mobilização. A comissão de formação politica planejou a aula publica na BIC, as atividades que a gente pensou precisaram ser mudadas de datas por questões da conjuntura.

(ENCERROU O PRIMEIRO BLOCO DE 10).

Leno: Avaliação da atividade de ontem e o peso de pressão sobre a reitoria que ela tem. Nos fez refletir sobre alguns pontos: a quantidade de pessoas que ficaram na reitoria foi pequena e como será sempre que a gente tiver algo mais pesado para fazer, quem não vai abandonar o barco? As comissões criadas na noite foram fundamentais para garantir o sucesso desse espaço. Na ação que fizemos avançamos um pouco e podemos avançar mais. Precisamos unificar o movimento grevista, precisamos intensificar nossas atividades nos espaços que ainda não aderiram a greve, a vitória só vai acontecer se a gente colocar as pessoas nas ruas, precisamos fazer mais atos públicos para dialogar com a sociedade.

Hanna: Em oceano foi apresentado pelos estudantes que a gente está indo poucas pessoas às ruas. Foi proposta a construção de um ato semelhante aos que aconteciam no semestre anterior. Foi indicado que a gente parasse as ruas que estão em torno na UFBA, para reforçar o envolvimento da sociedade. Falar para a galera se colocar nas comissões.

Ian: Foi lido no CONSUNI o oficio sobre a EBSERH. O oficio entregue a Biologia e o diretor assinou. Precisamos retomar essa atividade e procura dos diretores.

Wanderson: Proposta a nota de repudio ao diretor do ICI, pois foi encaminhado a nota da greve dos estudantes para uma lista interna. O diretor do ICI respondeu fazendo acusações, questionando a legitimidade da assembleia e com opiniões ofensivas quanto a greve dos estudantes, além de ter exposto o estudante que encaminhou a nota. Chegou a chamar de fascistas os grevistas. Existe um abaixo-assinado pela destituição deste diretor. Disse que os servidores estão proibidos de se reunir no ICI. Ele fazia rondas as assembleias estudantis e fez ameaças a diversos estudantes.

Ramon: O recital desmobilizou a permanência na reitoria. O ato de hoje foi muito importante. Pensar em nossas movimentações musicas com nossas pautas políticas. A avaliação do CONSUNI deveria ter sido na reitoria e depois faltou organização da nossa parte para avaliarmos lá na hora. Precisamos resolver problemas.

Hugo: Estamos 15 dias de greve, já vivemos muitas coisas e isso já demonstra a vitória da nossa resistência. Estamos conseguindo andar a partir das nossas convergências.  Agradecer a galera da saúde pelo panelaço que foi fundamental para o sucesso da visibilidade da nossa vigília, onde poucos ficaram. Em termos de encaminhamento: Precisamos enxugar o calendário geral e tocar as atividades locais. Precisamos fazer atos, eles tem mostrado que apresentam saldos positivos.

Ondina: Em geografia a gente não tem um comando especifico, existem pessoas querendo mobilizar, estamos vivendo a meia greve. A carta de estudantes organizados contra a greve saiu do Igeo, a gente não tá tendo quórum para puxar assembleia em geografia, mas estamos investindo em debates. O maior questionamento é o porquê da greve e porque não está unificada. Está faltando mobilização e divulgação. Em geografia não tem uma base a favor da greve e além disso a gente não sabe o que está acontecendo e por isso não estamos colando nas atividades. Não consegui compreender porque precisamos da vigília e porque enviamos uma carta a Dora. Acho complicado agitarmos uma vitória nesse momento a partir do CONSUNI, pois não conseguimos garantir a nossa pauta de congelamento do calendário. É perigoso chamar vitória e precisamos unificar, mobilizar.

Ian: Na vigília nós reforçamos que nossa prioridade é garantir a proteção dos estudantes e isso tinha que ser garantido mesmo que não conseguíssemos passar o termo congelamento.

Paula: Não consigo avaliar porque eu estava vigiando, mas pela avaliação da companheirada devemos melhorar a divulgação e explicar o porque  dos nossos atos. Segunda coisa, precisamos reforçar a formação para além das aulas publicas, porque este formato afasta alguns estudantes. Precisamos sentar para discutir um texto, pensar em nossas estratégias. Sugere que a gente construa GTs permanentes com horários e datas fixos. Acho importante estarmos no 2 de julho, precisamos conversar para resolvermos os ruídos.

Rebeca: Os Das e CAs precisam fazer notas para suas turmas, pois reforça a mobilização e a força das nossas ações. Não colocar só o link, investir em outras formas. Sobre a vigília, houve sim um esclarecimento do porque fazer e foi passado, inclusive, para diretores e pró-reitores que por lá passaram.

Matheus: Existe um grupo forte pró-greve na poli, o fórum ontem foi bastante positivo. Hoje mesmo lá na Poli, um professor não aplicou hoje uma prova que finalizaria o semestre e isso já está fortalecendo o movimento em virtude do CONSUNI de ontem. Nós estamos na força, mas somos poucos, por isso é importante a participação de todos.

Marina: As atividades (vigília, CONSUNI etc) estão sendo bem organizadas, estruturadas de forma que não possamos questionar a legitimidade de nossas ações. O movimento estudantil foi o mais progressista daquele CONSUNI, nós defendemos a legitimidade da greve até o final, os professores mostraram uma desarticulação e nós precisamos ver como vai ficar isso para resolver. Nós precisamos encaminhar no CONSEPE o congelamento do calendário. Precisamos focar nos espaços vazios que não estão greve, teatro, poli, direito, veterinária, contábeis, facom etc. A reunião do comando das três categorias precisamos reforçar a nossa articulação para não falharmos como foi no CONSUNI, na sua avaliação a greve será rápida e portanto precisamos resolver de como nossas pautas serão resolvidas, pois a reitoria se mostrou mais uma vez escorregadia.

Marina: encaminha que os eixos da carta fossem encaminhadas para as comissões.

3) Calendário\ Mobilização

Yuri: As mobilizações sejam distribuídas geograficamente e cada uma tenha uma pauta prioritária. Ex: Saúde – EBSERH, SL – Restaurante, Alguem – Residencias. E que todos consigam dar peso a essas atividades.

Clara: Adenda que precisamos ajustar a questão das pautas, porque tem áreas que tem mais de uma pauta prioritária.

Steffane: Fazer um ato unificado um dia, elencando nossas pautas prioritárias e não todas as nossas pautas. Não entra em desacordo com o proposto por Yuri, mas que além dos locais, tenha um unificado.

Yasmin: Pondera que no dia 02 de julho tem todo mundo lá, que a gente pode participar, mas que tenhamos um movimento visivelmente nosso (podendo ser dia 03 ou qualquer outro dia).

Ingrid: Os professores da rede estadual chamaram a gente para estarmos juntos no 02 de julho. Precisamos focar nos locais que não estavam em greve.

Jéssica: Encaminha que a comissão indicou que do comando saísse uma comissão de restruturação das pautas.

Wanderson: Na próxima semana teremos um compromisso maior devido a seu esvaziamento por conta dos festejos juninos, precisamos de um compromisso bolchevique. Reforça que os atos precisam ter pautas especificas. Sobre a EBSERH relata que precisamos instrumentalizar os conselheiros e ter mais atos. Outro ponto importante é assistência estudantil, precisamos focar nela. O terceiro tema é a discussão sobre ensino, pesquisa e extensão. Informe: em direito, foi feita uma atividade em parceria com outras categorias, foi bem positiva, conseguiu chamar a atenção das atividades acadêmicas que estavam acontecendo. Proposta de calendário: Vai rolar um forró lá em direito às 19h na cantina de direito.

Marina: Teatro está ensaiando uma peça de bertold brecht, a gente precisa dar peso quando estiver em cartaz pois dialoga com a greve.

Fernanda: Ato “Dora cumpra o acordo” em algum dia de atividade geral.

Yasmin: sugere que seja em forma de marcha saindo de ondina indo para assembleia na reitoria.

Carol (fono): não se esquecer de quem também está em greve; mapeamento político dos locais, em greve ou não, a fim de selecionar as pautas a serem enfatizadas; articulação com os outros dois setores (docentes e servidores técnicos), para garantir a força da greve geral; garantir espaços de uma base dos 3 setores; espaços paralelos de formação.

Rodrigo: reforça que precisamos inserir a EBSERH como uma pauta concreta. Já chamando para a próxima semana tem quinta-feira as 9h, local a definir sobre a EBSERH que entre em nosso calendário como espaço de formação. Terça-feira as 9h no anfiteatro do HUPES.  Precisamos não permitir que exista choque de horários e locais de mobilização.

Yasmin: Para além da galera de teatro, estamos conversando com o pessoal de dança e musica no sentido de construirmos um festival de arte e cultura. E que possamos somar com os demais estudantes para a construção desta atividade. Precisamos reforçar que devemos pensar nas pautas que estruturam a universidade a exemplo da pesquisa, extensão, acc. Outro ponto importante é debate do orçamento participativo.

Jota: Discorda da proposta dos atos separados pelos locais, já estamos separados no cotidiano, mas que precisamos pensar em atos unificados pois nossas pautas também não diferem tanto. Reforça que é interessante o ato do de 2 de julho. Concorda com a realização de atividades lúdicas nos locais contrários a greve.

Ramon: Proposta: 02 de julho – tentar fazer com a galera da ufba se estimulem a voltar a participar dos atos.

03 de julho – precisamos fazer um ato ou alguma coisa, pois é o dia de mobilização nacional.

Pegar o calendário dos locais que tem dificuldade de greve  e nos inserirmos.

No canela – direito e ed. Física.

Ondina – poli e veterinária

Centro – Economia.

Construir espaços de formação.

Terça: Propõe que o GT de extensão aconteça em algum momento na próxima semana.

Paula: Debate no dia 25 de junho as 15h sobre REUNI (a base social). Assembleia nossa as 16h, precisamos tirar mobilizações no dia 25 e 26 para garantir a assembleia 27. Reforça o ato estadual dia 03 de julho.

Cassius: Quarta – reunião de congregação sobre a EBSERH. Terça depois da plenária sobre este tema que será discutido na terça as 14h. Sugere que tenha algo de formação antes dessa congregação para instrumentalizar a galera. Propõe atos noturnos, e sugere um ato perto do Iguatemi (29. 06, pondera o são Pedro)  – com ponde. Quarta – assembleia de biotecnologia às 17h. quinta dia 28 congregação ampliada sobre as pautas estudantis.

Luba: debate quinta as 14 em biologia sobre educação no campo e agroecologia.

Rodger: reforça que atos locais são importantes, mas que sempre culmine em atos unificados.

Steffane: sugere que tenhamos um dia reservado para as atividades da formação política.

Carol: Propõe que assembleia mude de data, pois será desmobilizada devido o SJ. Prefere que seja na quinta e não na quarta. Propõe que a gente concentre esforços na próxima semana para formação e mobilização e não atos devido o vazio da universidade. Precisa focar no ato do dia 03 de julho por ter caráter nacional.

Camille: Pararam todas as aulas de nutrição e, portanto, temos que saber como vamos mobilizar o povo que está em casa. Como ato, propõe inauguração simbólica do prédio que não foi entregue. Propõe parar o transito no almoço aqui no canela (MARMITAÇO – macarronada) no dia 03 de julho, dando visibilidade para a sociedade. Precisamos pressionar a reitoria, precisamos agendar uma reunião com a reitoria e este ato pode pressiona-la.

Calendário sistematizado:

 SEGUNDA (25 de junho): Aula publica sobre o Reuni as 14h no Igeo

Reunião dos 3 comandos – 19h no dce

TERÇA (26 de junho): 9h no hupes – EBSERH. 14h no ICS – EBSERH

QUARTA (27 de junho)- 14h em biologia GT sobre Educação do Campo e Agroecologia.

GT de extensão na Biblioteca Central (a definir no GT sobre a Educação do Campo).

CONSUNI ordinário às 14h.

17h reunião do comando estudantil no DCE.

QUINTA (28 de junho): 9h nutrição EBSERH

Manhã ou tarde dos três comandos – Greve e projeto de Universidade (*vai pactuar o horário)

Sexta (29 de junho): Reunião para debater o ato 9h no DCE.

Sábado (30 de junho): 14h reunião do comando de greve

Segunda (02 de julho)

Terça (03 de julho)– Audiência pública com a reitora. Fazer uma oficina de cartazes e batucada na politécnica, depois marcha, dá uma volta no campo grande, chegar na reitoria para audiência com Dora.

Quarta (04 de julho)– passagens em sala

Quinta (05 de julho) – Assembleia geral 16h30m + 12h Marmitaço.

Sexta (06 de julho) –

Encaminhamentos:

Todas as segundas de manhã reunião das comissões.

Fazer material de divulgação na internet. Avaliações após os atos.

Correção: Aprovação e construção do Instituto de Educação Física e construção do complexo esportivo.

Proposta: tenha atas nas assembleias!

Leitura da moção de repúdio as declarações do diretor do ICI – APROVADO!

Nomes do comando de greve:

Medicina: Deivisson e Mariana

Ed. Física: Naiara (DA), Clara Lima, Beatriz, Rodrigo, Rafael, Bruno.

Pedagogia: Gabriel e Marisa (Idenilton)

Quimíca: Max e Fabricio (Caio como suplente)

Fonoaudiologia, Pedagogia, Serviço Social, Biologia, Gastronomia: serão duas pessoas no comando rotativas, quaisquer 2 que chegarem na reunião do comando podem votar.

Psicologia – Ingrid e Marcos como suplentes

Nutrição – Tais Queiroz, Clarissa e Luma como suplentes.

Deixe um comentário

Arquivado em RELATORIA

Nota pública de repúdio do Comando de Greve dos Estudantes da UFBa

                O Comando de Greve dos Estudantes da UFBa,reunido em 16 de junho de 2012 manifesta publicamente o apoio aos estudantes da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) que foram violentamente reprimidos no último dia 14 de junho pelo aparato policial requisitado pela burocracia universitária, quando o movimento de greve mobilizava um ato no campus de Guarulhos.

                A manifestação reprimida constituía uma das atividades de greve, deflagrada em 22 de março, que reinvidica melhores condições de ensino, pesquisa, extensão e permanência na universidade. Rechaçamos a ação truculenta promovida pela policia a pedido da administração central da UNIFESP ao tempo em que nos solidarizamos com os companheiros estudantes dessas universidades por reconhecer que sua luta expressa a defesa inconteste da universidade pública, gratuita e de qualidade.

 

Comando de Greve dos Estudantes da UFBa

Salvador, 16 de junho de 2012

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

CARTA ABERTA DOS PÓS-GRADUANDOS DA UFBA À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

CARTA ABERTA DOS PÓS-GRADUANDOS DA UFBA À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA
Nós, estudantes de pós-graduação da UFBA, reunidos em Assembléia Geral realizada no dia 13 de  junho de 2012, na Faculdade de Educação, após discutirmos a atual conjuntura nacional de luta e greves na  Educação e, em especial, nas Instituições Federais de Ensino Superior, decidimos entrar em estado de mobilização. Mobilizamo-nos por reconhecer que é fundamental o engajamento dos estudantes de pósgraduação no enfrentamento da atual conjuntura de descaso com a Educação Pública brasileira, como  expressado no ínfimo orçamento destinado a: Educação (3,18% do PIB), Ciência e Tecnologia (0,43% do  PIB), Cultura (0,09% do PIB), enquanto que, para o pagamento de juros e amortização da dívida, destinouse 47,19 % do PIB 1. Além disso, a política do governo federal de desoneração das empresas privadas  somada ao recente corte de 55 bilhões do orçamento da União, que atingiu diretamente os Ministérios de  Educação e de Ciência e Tecnologia, reduziu ainda mais os recursos que poderiam ser investidos em áreas  sociais para garantia, com qualidade, de serviços essenciais à população brasileira, como educação, saúde,  habitação, cultura e lazer, o que está na contramão da defesa de uma nação soberana.

Em relação ao ensino público federal superior, o sucateamento é evidente: faltam professores  efetivos; há um elevado número de professores substitutos/temporários, bem como pós-graduandos  sendo utilizados para tal função por meio dos tirocínios e estágios docentes; trabalho intensificado e  precarizado; quadro insuficiente de servidores técnico-administrativos; infra-estrutura precária; assistência estudantil escassa; avanço do processo de privatização da universidade pública – como é o exemplo dos Hospitais Universitários, assim como a subordinação da produção do conhecimento aos interesses  privados. Tal realidade compromete diretamente a garantia de ensino, pesquisa e extensão socialmente  referenciados.

O quadro apresentado não é diferente na UFBA, atingindo diretamente a pós-graduação. Faltam  bolsas de pesquisa, financiamento para participação em eventos e publicação, assistência estudantil (residência, restaurante universitário, creche e etc.), bibliotecas com acervo qualificado, laboratórios  equipados, entre outros problemas enfrentados. Vivemos um aprofundamento no achatamento dos prazos  e período de formação com total adequação à lógica mercadológica assumida e implementada pelos  órgãos de fomento à pesquisa como, por exemplo, o CNPq, a Capes e a FAPESB, além da ênfase na produtividade quantitativa, em detrimento da qualidade das pesquisas.

Por estas razões reconhecemos como legítima as greves deflagradas pelos docentes das mais de  50 IFES, pela FASUBRA (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Técnico-administrativos das UFPR e do programa de pós-graduação em Artes Cênicas da UFBA. A greve é um instrumento de luta em  torno das reivindicações latentes! Nós, pós-graduandos não abrimos mão da nossa autonomia. Atualmente em estado de mobilização, decidiremos os meios e formas de luta para garantir melhores condições de estudo e pesquisa. Não aceitamos e combateremos com vigor os casos deploráveis de assédio moral e coerção sofridos pelos estudantes que assumem uma posição de enfrentamento às condições da pósgraduação na UFBA e que buscam se mobilizar em defesa de seus direitos e reivindicações. Esta situação manifesta-se em ameaças como o corte de bolsas, reprovações em disciplinas, perda de prazos, desligamento de projetos, entre outros. Repudiamos este tipo de atitude que fere o direito à autonomia  estudantil, à greve, à livre manifestação e à luta por reivindicações legítimas! Alertamos que o assédio  moral é crime e passível de abertura de processo civil e punição para os que dele se utilizam valendo-se do poder do cargo ocupado para garantir a subordinação dos estudantes 2.

Nesse momento de grande mobilização nacional, em que os pós-graduandos lutam por melhores  condições de ensino e pesquisa e a ANPG3, junto às APG4 de todo o país, organizam uma grande caravana a Brasília no segundo semestre de 2012 para exigir da presidenta Dilma o reajuste imediato de 40% no valor  das bolsas, chamamos a unidade dos estudantes de pós-graduação da UFBA em torno de suas  reivindicações. Por isso deliberamos por ESTADO DE MOBILIZAÇÃO e convidamos os estudantes a  realizarem assembleias e reuniões em seus cursos e programas para agregarmos força às mobilizações dos pós-graduandos de todo o Brasil.

Assim, convocamos tod@s para a Assembleia Geral dos Estudantes da Pós-Graduação dia  27/06/12 as 18 h no Auditório do IGEO (Térreo 107 C) – Campus Ondina.

Saudações,
Assembléia Geral dos Estudantes da pós-graduação da UFBA
APG/UFBA – Associação dos Pós-Graduandos da Universidade Federal da Bahia

Salvador, 15 de junho de 2012.

1
Dados do projeto de lei orçamentária para 2012, apresentado em 19/12/2011. Universidades Brasileiras), dos estudantes de graduação de 31 IFES, dos pós-graduandos da UFRJ, UFF,
2
Se você sofreu ou está sofrendo algum tipo de assédio moral informe nossa Associação via email (apg.ufba@gmail.com) ou deixe seu recado no
Mural do nosso blog (www.apgufba.blogspot.com.br).
3
ANPG – Associação Nacional dos Pós-Graduandos
4
APG – Associações de Pós-Graduandos

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Relatoria do Comando de greve Geral da UFBA – 16 de junho

3ª Reunião do Comando de Greve (16.06)

  1. Prioridades;
  2. Cartas e moções;
  3. Calendário e Mobilização;
  4. Diálogo entre os comandos;
  5. Conversa com a reitora;

                                           

Professora Denise: O comando está crescendo, mas legitimado em Assembleia são 21 integrantes, composto por diversas forças políticas, mas que isso não poderia interferir na luta.  Apresenta que os professores estão deixando de dar aulas na graduação em virtude do sistema de pontuação. É uma greve da base e não uma greve do ANDES. A luta por outro projeto de universidade. Aponta que essa é uma greve histórica da universidade, com muitos debates e articulações. (Juliana, Paulo, Nair, Ailton) Aponta que a luta é conjunta, as pautas são importantes para ambas as categorias. Queremos construir o ato conjunto na quinta-feira.

Professora Nair: Pautar a questão da Universidade, contra a privatização e sucateamento da universidade. A entrada na pauta da EBSERH no CONSUNI retrata um pouco disso. Interface de alguns momentos dessa caminhada (estudantes, professores e servidores), no sentido de fazer frente a uma concepção da Universidade (socialmente referenciada). A greve como momento de unidade. Proposta: Ato em defesa da Educação da Bahia e da educação brasileira, com participação de estudantes, professores da universidade e da rede estadual e servidores. A concentração é as 9h no campo grande na quinta-feira, tem reunião do comando segunda de noite. A marcha irá para a piedade. Reunião do comando dos servidores na terça-feira. Proposta 2: Atividade para o dia 26 (terça) às 14h, pauta:  greve e projeto de universidade. Proposta 3: Comando organizativo unificado (fórum), espaço organizativo de interseção das três categorias. Proposta 4: Debate sobre a EBSERH (25.06) com uma professora atual da medicina (Mônica Angelim) e um professor mais antigo.

Professora Paula: Apresenta que existem estudantes sendo ameaçados e coagidos a assistir aulas, nesse sentido ela reforça a importância de nossa participação do CONSUNI para pressionar o congelamento do calendário e pede a participação dos nosso conselheiros. Aponta que o CONSUNI precisa se posicionar e não admitir que estudantes que estão em greve sejam prejudicados.

Professora Denise: Aponta que dois manifestos foram fundamentais nessa conjuntura – o manifesto da Faculdade de Medicina e do IHAC.

Wanderson: Novas apresentações de representações nos comandos.

Veterinária – Stephanie e Ricardo

Oceanografia – Hanna e Rodrigo (Sem suplente)

 Engenharia sanitária e ambiental – Matheus e Larissa

Biblioteconomia – Jaqueline

Economia- Manuel e Leilah

Ondotologia-  Luis e Graziele/ Rebeca

Química – Fabrício e Max

Gastronomia- Serginho e Monique (titular), suplentes: Monique e Isabella

Filosofia: Allan e Wagner/ Cristian e Douglas

Arquivologia: Taiana e Leandro

Gênero: Paulo e Rebeca, suplente: Vitória.

  1. Prioridades (Ver documento)
  2. Cartas e Moções:

Demanda Farmácia (para química);

Marina: Uma carta de apoio aos estudantes da UNIFESP

Graziela: Engenharia Ambiental, Farmácia.

Danilo: Mandar essa carta para todos os professores e não somente para os cursos mapeados.

Bruno: Relatou a mobilização no PAFIII onde uma professora exigiu que uma turma fizesse prova e que este oficio fosse encaminhado ao IHAC.

Camille: Em nutrição estão tendo o cuidado de falar com cada professor, mas solicita um documento que garanta aos estudantes que as aulas serão repostas.

Djean: Estatística, a dificuldade com as disciplinas dadas fora do Instituto e precisam enviar este documento.

Gabriel: Entregar em reuniões de colegiado e departamentos. Especificar que os professores substitutos estão sendo ameaçados.

Jaqueline: Diretor do ICI chamou estudante de fascista por ele ter comentado sobre a Assembleia Geral de Estudantes. Documento específico para o diretor do ICI.

Yuri: Produzir um ofício padrão para ficar a disposição dos cursos.

Grazi: Reforçar que a gente participe da reunião do CONSUNI.

  1. Calendário:

Thiago: aula Pública de Direito terça às 8h40m em direito.

Manoel: Abaixo assinado para exigir que o MEC venha fazer uma avaliação da UFBA. Encaminhe um documento ao Ministério da Educação que envie uma comissão para avaliar as obras.

Milena: Segunda – ato às 19h no Martim. Reunião com Dora.

Terça- Panelaço às 16h, vigília na reitoria até o CONSUNI (Atividade de aulão da EBSERH durante a vigília).

Djean: Mobilizações mais lúdicas, fugir do caráter só de aulões. Solicita mobilizações em Matemática.

Wanderson: Comissão da estrutura.

Danilo: Fazer atividade que levem as pautas. Debater a pauta da EBSERH no PAF e no Canela. Mesas mais gerais em diversos cursos. Está greve de curso e demanda geral. Panfleto salientando a importância do CONSUNI e a Assembleia Geral de quinta feira.

Camille: Esclareceu para Danilo os encaminhamentos sobre a EBSERH. Manter o ato no dia 20, 12h, biblioteca de saúde.

Max: 80% dos professores de química não aderiram a greve. Segunda (18.06) atividades durante o dia, culminando com a Assembleia (vai entregar para colocar no blog). Terça as 19h no ICS reunião com as três categorias (tirar dois nomes do comando de greve para acompanhar isso).

Yuri: O central tem que ser o CONSUNI da quarta-feira devido a pauta do congelamento do calendário e a remarcação da pauta do EBSERH. Quinta tem o ato unificado entre as três categorias e que assembleia não teria pauta e poderia perder o foco.

Ramon: Segunda – atividade o dia inteiro para discutir as pautas da carta. Reforça a nossa presença no ato unificado. Reunião na terça às 19h no ICS entre as três categorias, com a construção de uma pauta unificada das três categorias.

Fernanda: Durante a vigília que acontecesse depois do aulão da EBSERH ocorresse um GT sobre a extensão. Quinta às 18h uma aula com professor Muniz e Nair sobre um debate da educação desde a redemocratização até hoje e sobre as reformas universitárias, no paf3.

Rodrigo: Não tem que comunicar a reitoria.

Elida: Reforça que tem que mobilizar em matemática.

Yuri: O encaminhamento é que façamos a conversa com a reitoria para que o CONSUNI seja garantido.

Leca: Quinta – ato unificado. Terça – aula pública em São Lázaro as 9h com o tema Porque Greve? (Ciências Sociais). Pensar horários fixos da reunião do comando de greve. Quarta – Assembleia Geral de Estudantes (podendo ser em outra data na próxima semana).

Gabriela: Terça as 17h uma mesa na politécnica (um representante da apub, apub-luta, um representante do DCE, um representante estudantil).

Leca: Manter Assembleia às 9h para mobilizar para o CONSUNI.

Defesa pela manutenção da Assembleia na próxima semana: Como a ultima não foi realizada, ela é importante para a mobilização e para aproximar os outros cursos. Que esta seja pela manhã já que outras foram pela tarde. Levar para as pessoas que não estão aqui as informações.

Contra a assembleia na próxima semana e postergar para depois do SJ: Precisamos fazer algo publico que seria a marcha e pressionarmos a reitoria e que a Assembleia deve acontecer na semana.

Votação: Venceu a proposta da Assembleia na semana após o SJ, na quarta-feira.

Abertura de inscrição de proposta de horário para Assembleia:

Lucas: às 9h e propõe que a Assembleia seja sempre marcada em Assembleia.

Danilo: Que seja as 9h na reitoria. Garantir o trânsito da assembleia pela universidade.

Gisela: Ponderou a existência de trabalhadores. Garantia de agendas após o SJ. Proposta a partir as 17h. Na reitoria.

Luis: Na reitoria às 17h.

Carol: 9h.

Sergio: contemplado pela de Gisela.

Robson: se essa for as 17h a outra tem que ser as 9h.

Gabriel: Aponta que não encher o horário não é em virtude do horário, mas da falta de mobilização, às 17h.

Fernanda: Cuidado com a mesa e tem que começar no horário, garantir a rotatividade e contemplar o noturno.

Yuri: as 16h30min. Ajudar na estrutura.

Lucas: Rotatividade de horários e de local.

APROVADO: Rotatividade de horários e locais.

Esta Assembleia será às 16h30m e a próxima será 9h.

Encaminhamento: Não pode existir acumulo de voto. Não pode uma pessoa votar duas vezes.  

Assembleia na quarta às 16h na reitoria.

Abertura de Inscrição para os horários da reunião do comando de greve:

Leca: três vezes na semana – manhã, tarde e noite

Aluã: sábado 14h e quarta.

Danilo: Quarta 9h ou 15h e sábado.

Lucas:

Graziele: reunião fixa na semana e por demanda durante a semana.

Gisela: reunião fixa ao sábado e uma por demanda na semana.

Gabriel: Quarta sejam especificas dos grupos de trabalho. Sábado: reunião do comando geral.

Lucas: Quarta e Sábado

Leca: Quarta e sábado.

Luba: Quarta e sábado.

Hugo: Quarta e Sábado.

Danilo: Quarta e sábado.

Wanderson – Quarta 9h Sábado às 14h (na próxima por conta do consuni será após o CONSUNI). O primeiro ponto de pauta será informe dos GTs.

 

 

 

 

Calendário Geral:

– segunda: 10h audiência no HUPES.

19h Ato no martim.

– terça: 8h40m em direito

panelaço as 16h, vigília (Gt e extensão)

Quarta: consuni

Quinta: manha ato unificado

pafIII – mesa (fala de Fernanda).

 

 

DIALOGO ENTRE OS COMANDOS

Marina: atenta para a unidade do movimento, “comandos de greves”, contato com os três comandos mantendo a autonomia de cada comando, delimitar a quantidade de pessoas por comando

Danilo: atenta para a disputa pelo projeto de Universidade Pública, dialogando com os três setores, proposta de assembleia geral da UFBA (participação dos 3 setores)

Yuri: sugere que a reunião seja em caráter de fórum, mais aberto sem necessariamente delimitação de participantes, como experimentação na primeira reunião.

Marina: propor como pauta, avaliação da greve e posterior unificação dos calendários

Grazi: atenta para a necessidade de construir atividades para a vigília

Rodrigo: que a 1 reunião do comando organizativo seja durante a vigília na reitoria

Gabriel: sugestão de pauta: avaliação dos espaços já realizados conjuntamente, amadurecer as bandeiras unificadas

Danilo: avisar aos professores e servidores do caráter de fórum dessa reunião

Suyane: comissão de comunicação fique responsável pelo contato com os setores

 

CONVERSA COM A REITORIA

Wanderson:  diálogo com a reitoria de forma técnica para delimitar o próximo CONSUNI com pauta do EBSERH em agosto, solicitar a reitoria a assessoria dos conselheiros, incluir a pauta do congelamento do calendário acadêmico, garantir o salão nobre para a realização desse consuni

Lucia: a pauta do consuni do dia 20 não inclui o congelamento do calendário acadêmico

Encaminhamento: a conversa esta mantida, nos moldes apresentados na fala de Wanderson.

 

NOMES PARA A CONVERSA:

 

Wanderson: 24 pessoas para a conversa com a reitoria, 12 conselheiros e 12 pessoas tiradas do comando

Ramon: sugestão da comissão de comunicação para essa conversa

Gabriel e Alua: reafirmam que os nomes tem que ser tirados em reunião do comando de greve

Aprovação da carta em apoio à greve da UNIFESP.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Documento

Documento

Solicitação do congelamento do calendário acadêmico da UFBA protocolado na reitoria no dia 11 de junho de 2012.

Deixe um comentário

16 de junho de 2012 · 00:40